1. Pablo Costa

    Gostaria de parabenizar a página. Conteúdo de ótima qualidade e bem explicativo.
    Meu novo vício é acessar esse site todo dia rs.

    Responder
    1. Direito Familiar

      Olá!
      Muito Obrigada!!! Fechamos nossa segunda-feira com chave de ouro recebendo esta mensagem!
      Obrigada por dedicar um tempo do seu dia para nos dar este retorno, ele é muito importante para nós!

      Abraços,
      equipe Direito Familiar.

      Responder
  2. Bibia Maria Vaz de Sousa.

    Não tenho união estável com o falecido mas metrô 4 anos e meio com o mesmo. O INSS me deu 4 meses o que devo fazer. Meu filho de 2 anos recebe a metade com o mas velho. Dei entrada para nós 3 porque o meu foi cessado?.

    Responder
    1. Direito Familiar

      Olá Bibia.
      Primeiramente, precisamos esclarecer que a questão do benefício prestado pelo INSS guarda relação com o Direito Previdenciário e não com o Direito de Família.
      Em tese, os critérios para que a pensão por morte seja concedida são: qualidade de segurado daquele que faleceu e demonstração da situação de dependência.
      Como não temos conhecimento do seu caso específico (o que nem no cabe), recomendamos que você busque o auxílio de profissionais que atuam na área para receber informações mais precisas.
      Ainda, você pode verificar junto ao INSS o motivo do seu benefício ter cessado.
      Caso você tenha interesse, porém, em reconhecer a união estável no âmbito do Direito de Família, recomendamos a leitura do seguinte artigo, no qual há explicações sobre o procedimento: https://direitofamiliar.com.br/reconhecimento-de-uniao-estavel-apos-morte-como-fazer/.
      De qualquer forma, mesmo que reconhecida a união estável judicialmente, não é 100% garantido que surtirá efeitos na esfera previdenciária. No entanto, será necessário procurar o auxílio de profissionais especializados em Direito de Família para propor eventual demanda, ou a Defensoria Pública e Núcleos de Faculdade , que prestam atendimento gratuito.

      Atenciosamente,
      Equipe Direito Familiar.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *